TRANSMONTAR

Dissertações sobre Trás-os-Montes, seu passado, presente e futuro. Idiossincrasia transmontana e visão do mundo a partir deste torrão.

12 maio 2009

Como a teia de Penélope

Já não bastava as previsões impiedosas dos últimos dias, que ainda tínhamos de passar pela irracionalidade eleitoralista em tempos negros como estes.
A recente entrevista de Obama ao New York Times revela toda a sua determinação reformista, só possível pela circunstância politicamente virgem do empossado, conjugada com a utilização generalizada da carta-branca com dispensa de caução negocial sufragada maioritária e confiadamente e utilizada na implementação determinada do se portfolio de medidas anticrise.
Contrariamente ao contexto americano, até na desventura estamos em contra-ciclo político, o que parece ser definível como uma marca d’água da nossa jovem aventura democrática.
Surpreendido pela ameaça que lhe fragiliza o flanco esquerdo, o governo desmultiplica-se em concessões ideologicamente marcadas até aos limites burlescos do anacrónico, no intuito de suster a hemorragia daquela falange social de apoio.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial